“Lady Driver”: conheça o ‘Uber’ feito só para mulheres

Cantadas desnecessárias, convites repentinos e até mesmo casos de estupro são problemas que têm sido frequentes em aplicativos que oferecem carona, como o Uber e outros ligados à taxi, mas as mulheres não estão aturando mais assédio em todos os sentidos, inclusive na carona.

foto: blog da mimis

 

Foi visando gerar mais segurança na corrida para mulheres e amenizar problemas de assédio que Lady Driver foi criado, um aplicativo feito por mulheres, com motoristas mulheres e só para passageiras!

A ideia surgiu quando a idealizadora, Gabriela Corrêa, sofreu um assédio durante uma corrida de táxi. Após passar pela situação desagradável, ela procurou pedir corridas em transporte privado, sempre com uma motorista de sua confiança, no entanto nem sempre havia disponibilidade de horários e então, a empreendedora resolveu criar um aplicativo que reunisse só motoristas mulheres.

Lady Driver já está funcionando desde março deste ano, conta com mais de 2 mil motoristas mulheres disponíveis na cidade de São Paulo e Guarulhos e é o quinto aplicativo de caronas ao lado de Uber, Easy Taxi, Cabify e outros.

 

Como funciona?  

 

foto: Lady Driver/divulgação

Lady Driver funciona como o Uber e para pedir uma corrida,  é só baixar app para iOS ou Android.

Já para ser uma motorista, é preciso preencher um formulário e comprovar uma série de requisitos da empresa como documentos para pesquisa de antecedentes criminais, habilitação com declaração EAR – exerce atividade remunerada, carro quatro portas, com ar condicionado e  que tenha sido fabricado depois de 2008.

A empresa não exige exclusividade e a mulher que opta em trabalhar no aplicativo pode conciliar com outras atividades.

 

Futuro próximo

 

A ideia é que até o final do ano, Lady Driver fique conhecido como o “Uber Feminino”, com mais de 10 mil motoristas cadastradas e que esteja disponível não apenas em São Paulo e arredores, mas em todo país.

 

Fontes: Lady Driver/PEGN

Comentários

Jornalista, cronista, linguista, chocólatra, louca por livros, adora cinema, rolês em Sampa e escrever no seu blog Pequenos Deleites .