A gente conta tudo o que rolou no Festival Pop Porn 7

A gente conta tudo o que rolou no Festival Pop Porn 7

No final de semana dos dias 3 e 4 de junho, aconteceu no festival Pop Porn 7..e foi uma delícia.

Entrada do evento. Foto: Karine Kakazu

O festival teve de tudo. A programação contou com a exibição dos filmes de diferentes categorias, workshops apimentados, debates polêmicos, performances provocantes e exposição ousada. Ainda no espaço havia uma feirinha, tatuagem, comes e bebes. Tudo para que fosse possível passar o dia todo lá e penetrar no tema.

Filmes para todos os gostos

Os filmes foram exibidos em duas salas de cinema, divididos por classificação, desde o mais leve até o mais pesado.

Entre os temas retratados estava trabalhadorxs do sexo, com a exibição de “Putta“, que aborda a vida pessoal de três prostitutas, entre outros títulos. Outro tema foi o de filmes feitos por mulheres, incluindo o inédito alemão “O  Experimento Tinder“. Também teve porn art, com outro inédito, mas dessa vez  italiano, o “Além da Loucura“.

A pornologia, apareceu no documentário argentino “Audaz se Eleva” e outros filmes. Já a sessão apresentada pela Vice, exibiu suas co-produções e o tema curt-ass contou com o filme australiano “Imerso“, com o dançarino  Bishop Black, e outros.

Sala de cinema. Foto: Karine Kakazu

 

Porta da sala de cinema. Foto: Karine Kakazu

Workshops bem interativos

No primeiro dia, para abrir os trabalhos, rolou a disputada oficina de Shibari. A técnica oriental consiste em amarrar pessoas e foi ministrada por Toshi San e Fetishboxxx. A atividade incluiu a teoria e a prática,  garantindo o uso das cordas de forma segura e divertida pelos participantes, para que possam praticar por conta própria.

Mais tarde, foi a vez dos empreendedores aprenderem. O tema foi presença digital e criatividade para quem quer trabalhar com sexo na internet, com apis3play. Os experientes William Hertz, Marcello Sampaio e Emme White compartilharam suas experiências e conhecimento do ambiente digital e deram algumas dicas. Entre elas, como entender a relevância e interatividade do seu conteúdo e que a sorte não é um modelo de negócio. 

Chega de falar de negócios e vamos para a ação

O próximo laboratório foi o, também disputado, pornô faça você mesmo. Aqui rolou de tudo, inclusive a gravação de uma cena pornográfica com atrizes renomadas: a vencedora do prêmio SexyHot de melhor atriz homo, Emme White e a de melhor atriz hétero, Paty Kimberly. Também foi vencedora a de revelação do ano, Mel Fire, e Fabi Thompsom, participante da melhor cena de orgia/gang bang. Além da parte prática, também foi abordada a parte técnica da fotografia do filme, com Bucareste Ateliê de Cinema.

Paty Kimberly, Emme White, Mel Fire e Fabi Thompsom. Foto: Karine Kakazu

 

O segundo dia já abriu com introdução ao BDSM e Fetishboxxx. Novamente, Toshi San mostrou que entende do negócio e tirou todas as dúvidas sobre BDSM.  Entre elas, fontes de informação, formas de se introduzir no meio, quais são as diferentes práticas, etc. Após a explicação teórica, houve uma demonstração de BDSM com um casal.

Agora é que são elas

Depois foi a vez delas com a oficina de pornô para mulheres. As poderosas do Bucareste Ateliê de Cinema, Xplastic e Hysteria etc fizeram bonito e contaram as dificuldades da indústria. Apareceram situações de buso e assédio, a padronização da pornografia e o estigma do sexo. Também abordaram a forma como as mulheres veem o filme pornô, por meio de uma pesquisa realizada, e quais elementos são indispensáveis para agradar o público feminino.

O último workshop do dia, e do evento, foi o de pornô faça você mesmo com Sacanagens Gays e Bucareste Ateliê de Cinema. A oficina segue a mesma linha da do dia anterior,  mas dessa vez voltada para o público gay e com o experiente diretor de filmes gays, J.J. Rodrigues.

Debates acalorados

Entre os debates, foram discutidos os temas BDSM e Fetiche no Brasil, com diversos profissionais. O cientista social Jorge Cabelo Leite, pesquisador nas áreas de corpo, sexualidade e gênero, em especial a pornografia. Também, a professora de antropologia  e escritora de “Prazeres Perigosos”, Maria Filomena Gregori. Assim como Adriano Queiroz, praticante de BDSM há 10 anos e pesquisador de gênero, masculinidades e relações erótico-afetivas e Sueli Feliziani dos Santos, domme estudiosa de gênero, sexualidade e raça.

O tema do segundo debate foi “Prostituição, quem pratica?”, com abordagens diversas. Uma das debatedoras foi Amara Moira, travesti pan puta, doutoranda em teoria literária pela Unicamp. Outro foi Dezinho, ator de filmes adultos e garoto de programa. A atriz de filme adultos e modelo, Emme White e Rainha Rayssa Garcia, que já atuou no mercado de filmes adultos e hoje é mãe e esposa também mostraram seus pontos de vista.

Performances de arrancar aplausos e sutiãs

As performances ficaram por conta da Mayanna Rogrigues, com BurlesCam, em sua figura burlesca, Black Rainbow; 7 de ouros, com DO ME, e Sweetie Bird, com BraZil, em que faz um strip tease ao som de samba e vestida de uniforme de futebol.

Sweetie Bird com BraZil. Foto: Karine Kakazu

Exposição exótica

A exposição contemplou 7 obras, com diferentes técnicas e artistas, como Sidney Amaral, Francisco Hurtz, Gabriela Garcia e Hudnilson Jr.,  entre outros.

Sem título, Sidney Amaral. Foto: Karine Kakazu

Apoio de peso

O festival contou ainda com os stands e brindes dos apoiadores. Entre eles estava a rede social adulta Sexlog, que distribuiu assinaturas temporárias da rede, calcinhas e chocolates. Também estavam os canais de vídeos adultos, Safada TV e Xplastic, com degustação ilimitada de 15 dias de seus vídeos.

E que venha o próximo!

Para não perder os próximos, curta: facebook.com/poppornfestival

Sobre o autor

Publicitária pelo Mackenzie, marketeira pela BSP, pesquiseira de profissão e curiosa por natureza.

Comentários