Cia Antropofágica de Teatro inaugura novo espaço com muitas atrações agendadas

Cia Antropofágica de Teatro inaugura novo espaço com muitas atrações agendadas

Nos dias 12, 13 e 14 de outubro, a Companhia Antropofágica de Teatro convida a população para conhecer um novo espaço de atuação do grupo na região de Perus, intitulado Teatro de Monhangokaracy, marcando um momento emblemático do projeto [D.E.T.O.X] – Devising Experimental da Toxicologia do Objeto X.

O projeto [D.E.T.O.X] tem como fio condutor o diálogo entre territórios diversos da cidade através de ações formativas, experimentos cênicos, registro e compartilhamento do processo criativo da Antropofágica, com a intenção de ampliar as interações do grupo com os espaços públicos.

Reunindo grupos teatrais como Núcleo Sem Drama, Dolores Boca Aberta Mecatrônica de Artes, Trupe Lona Preta, Kiwi Cia de Teatro, Cia Teatro da Investigação, Mamulengo da Folia e Trio Agrestino, a Antropofágica promove quatro dias de ações gratuitas celebrando a primeira atividade oficialmente aberta ao público na região de Perus.

A programação contará ainda com um grande bazar de livros, produtos orgânicos e alimentos cultivados em assentamentos e acampamentos da Reforma Agrária, e também com ações da própria companhia, como a Karroça Antropofágica (cortejo cênico-musical), Máquina de Leitura Antropofágica (recitação de poemas e leitura de outros textos), Fiteiro Poético Antropofágico (barraca inspirada no comércio popular do Nordeste e saraus periféricos, com recitação de poemas e música) e a mostra da Antropobatuke (oficina de música, percussão e performance atualmente realizada em Perus).

As ações pretendem reunir os moradores, transeuntes e trabalhadores da comunidade da Chácara Maria Trindade, bairro localizado no distrito de Perus, em uma zona que transita entre o urbano e rural, que na década de 90 seria destinada à implantação de um Aterro Sanitário. Com o questionamento dos moradores, esta implementação foi interrompida. Atualmente residem no bairro aproximadamente 600 famílias que, em quase sua maioria, dedica-se à agricultura familiar sustentável e ao plantio de subsistência, visando a conservação dos recursos naturais locais.

A Companhia Antropofágica é um grupo criado em 2002 que tem a antropofagia como princípio motivador de seu processo sócio-artístico, com um histórico que envolve inúmeros processos de criação, estudo e experimentação, reconhecidos por prêmios e indicações. Desde sua criação, o grupo opta por pesquisar procedimentos, gêneros, autores e textos ligados à tradição das formas híbridas, muito propícias ao ideal antropófago que a move.

Programação do Teatro de Monhangokaracy – ENTRADA GRÁTIS todos os dias

Onde: Teatro de Monhangokaracy – Endereço: Rua Leonel Martiniano, S/Nº (em frente ao número 396 da Kaper) – Chácara Maria Trindade – Zona Norte – São Paulo (acesso Rodovia Anhanguera KM 27,5) – Informações: (11) 38710373 / 992690189 – contato@antropofagica.com.

12 de outubro

10h às 13h – Karroça Antropofágica com Cia Antropofágica

16h – Abertura/Máquina de Leitura Antropofágica/Fiteiro Poético Antropofágico

17h – Rolezinho com Dolores Boca Aberta Mecatrônica de Artes – Duração: 75 minutos

Um monstro com olhos de fogo suga toda água da floresta e concede goles d’água aos animais em troca de seus olhos. Nesta fábula carnavalizada, opera a metáfora do monopólio das riquezas e da cegueira social como características inseparáveis de um monstro: o Boitatá, que surge como representação de uma relação social hegemônica, que domina tudo e todos.

19h – Sem Drama! (Histórias de Sobrevida) com Núcleo Sem Drama – Duração: 75 minutos

Numa cultura que nega a morte, o diagnóstico de um doença grave pode colocar em crise a identidade de uma pessoa e sua rede de relações. Ou pode trazer revelações profundas sobre a vida em todos os sentidos. “Sem Drama!” trata da delicadeza da existência, da coragem e das lutas.

13 de outubro

10h às 13h – Karroça Antropofágica com Cia Antropofágica

16h – Abertura / Máquina de Leitura Antropofágica / Fiteiro Poético Antropofágico

17h – O Circo Fubanguinho com Trupe Lona Preta – Duração: 45 minutos

Espetáculo inspirado nas charangas, farsas e bufonarias. As músicas pontuam e costuram o enredo. Nele, dois palhaços, demitidos e expulsos do picadeiro, tentam se inserir a qualquer custo.

19h – Trabalho Cênico Carne com Kiwi Companhia de Teatro – Duração: 1h20

Discute as relações entre patriarcado e capitalismo, mostrando o panorama da opressão de gênero e a situação específica da violência contra as mulheres no Brasil. A peça, inspirada no teatro documentário, é composta de 20 quadros interligados executados por duas atrizes e uma percussionista. No trabalho cênico são utilizadas canções populares, imagens publicitárias, estatísticas sobre a violência contra as mulheres, trechos de romance, entre outros materiais.

14 de outubro

14h às 16h – Antropobatuke – Oficina de Música, Percussão, Rítmica e Performance com Cia Antropofágica

16h – Abertura / Máquina de Leitura Antropofágica/ Fiteiro Poético Antropofágico

17h – Caruru Teatro Bailinho (Espetáculo Infantil) com Cia Teatro da Investigação – Duração: 50 minutos – Classificação Livre

Tem muita coisa nesse mundo que se é de admirar no lugar onde o rio que corre parou de correr. Luzia, a menina lavadeira, já não consegue mais lavar suas roupas e, quando sua estória se encontra com a de “Mininu”, aquele que segue uma estrela em busca de uma festa de aniversário, suas estórias são transformadas. Seguindo Zé Viajeiro, eles vão até o terreiro do fundo da casa de Zabé, a Bonequeira, em busca de realizarem seus sonhos! Dizem que foi lá que o mundo se deu tal qual a gente conhece!

19h – A Folia no Terreiro de Seu Mane Pacaru com Mamulengo da Folia e Trio Agrestino – Duração: 50 minutos

Espetáculo de mamulengo, recheado de passagens em que figuras como o valentão, a mocinha, o polícia, o coronel e tantos outros clássicos da cultura popular, parentes próximos dos tipos da Comédia Dell`Arte, pincelam com suas loas e brincadeiras essa grande festa no  terreiro. Ao som e sabor dos improvisos do brincante, o jogo vivo e pulsante faz a liga entre roteiro básico (com que os bonecos sobem à empanada) e o mundo de possibilidades da cena aberta com os espectadores.

Observação: o Sobreviva em São Paulo não se responsabiliza por possíveis mudanças nas informações acima, que são válidas até esta data.

Sobre o autor

Publicitário, especializado em Marketing e Comunicação Integrada. Amante da vida, encantado por pessoas e suas singularidades. Fã inveterado de filmes de terror, ouvinte assíduo de música jamaicana e rock pesado. Vive uma relação de amor e ódio com São Paulo. Ótima companhia pra uma cerveja gelada. E, claro: Vai, Corinthians!

Comentários