Espetáculo sobre Refugiados em São Paulo começa nesta sexta no Caixa Cultural

Espetáculo sobre Refugiados em São Paulo começa nesta sexta no Caixa Cultural

Peça aborda a questão do refúgio e da imigração sob a perspectiva da cidade de São Paulo e fica em cartaz até 09 de dezembro.

De 30 de novembro até 09 de dezembro, a Caixa Cultural SP recebe a peça ‘São Paulo Refúgio’ do grupo Grupo Performatron. O espetáculo narra o cenário da imigração sob o olhar da cidade de São Paulo abordando os impactos da imigração forçada na sociedade contemporânea com ênfase na capital paulista

A peça tem como raiz, as reflexões e impressões dos artistas através de conversas, depoimentos e cartas concedidos por refugiados aos integrantes do grupo sendo composta por três movimentos que retratam diferentes momentos do processo de mudança: A Vida e Guerra, no qual é abordado o período anterior a migração, quando situações de violência, vulnerabilidade e miséria modificam profundamente a realidade de um país. A Mudança, onde são retratadas as dificuldades do processo de travessia e da busca por um novo país. E por fim, Cultura em Choque, abordando as dificuldades de integração e o choque cultural sofrido por imigrantes e refugiados ao se depararem com a realidade brasileira.

Acho importante existir um trabalho de conscientização sobre o refúgio nesse momento, porque com as guerras e os desastres naturais aumentando, a tendência é a migração aumentar também, juntamente com o preconceito, então, acredito que o teatro também possa ser uma ferramenta para uma sociedade mais justa, por isso fizemos essa peça“, afirma o diretor Conrado Dess.

O grupo Performatron iniciou o processo de ‘São Paulo Refúgio’ no segundo semestre de 2014 em parcerias entre o grupo e diversas instituições como o Grupo de Refugiados e Imigrantes Sem-teto de São Paulo, Mesquita do Pari, Oásis Solidário, MSTC -Movimento dos Sem-teto, Museu da Imigração, Adus e Centro de Referência e Acolhida para Imigrantes.

Criado em 2014, O grupo nasceu da vontade na criação de um coletivo  artístico jovem capaz de dialogar com questões relevantes acerca da cidade de São Paulo e do país. A segunda peça do grupo ‘Diálogos sobre a Loucura’ foi criada entre 2016 e 2018 foi premiado pelo ProAC – Primeiras Obras de Teatro – o espetáculo estreou em julho de 2018 na Oficina Cultural Oswald Andrade, em São Paulo.

Quem dirige e também atua no espetáculo é Conrado Dess, ao lado de Pitchou Luambo que vive atualmente no Brasil como refugiado de guerra, é ativista do direito dos imigrantes e coordenou o Grupo de Refugiado e Imigrantes Sem-teto de São Paulo. Atuou também no filme ‘Era o Hotel Cambridge’ da cineasta Eliane Caffé e na série PSI do HBO. Elise Garcia, atriz formada pela Escola de Atores Wolf Maya e em Jornalismo pela Universidade Metodista completa o grupo juntamente com Ériko Carvalho, criador e membro fundador do grupo Performatron.

A peça fica em cartaz até dia 09 de dezembro e os ingressos são gratuitos podendo ser retirados na bilheteria da Caixa Cultural nos dias de espetáculo.

Serviço

Quando?

29 de novembro a 9 de dezembro de 2018

Onde?

CAIXA Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111 – Centro) – próximo à estação Sé do Metrô

Quanto Custa?

Gratuito - ingressos distribuídos a partir das 9h do dia do evento

Classificação:

14 anos

Mais Informações:

Informações: (11) 3321-4400

Capacidade: 80 lugares

Duração: 80 minutos

Acesso para pessoas com deficiência

www.facebook.com/performatron

www.performatron.com.br

www.youtube.com.br/performatron

Patrocínio: CAIXA e Governo Federal

Sobre o autor

Jornalista pela PUC-SP e autor do documentário "Pegadas da Lama", escreve sobre Cultura e Cidades. Apaixonado pelas lentes da fotografia e dos documentários, gosta de observar as pessoas, as relações, os prédios e as janelas. Sagitariano inquieto, está sempre indo e vindo por São Paulo em uma relação complexa para poucos caracteres.

Comentários

Jornalista pela PUC-SP e autor do documentário "Pegadas da Lama", escreve sobre Cultura e Cidades. Apaixonado pelas lentes da fotografia e dos documentários, gosta de observar as pessoas, as relações, os prédios e as janelas. Sagitariano inquieto, está sempre indo e vindo por São Paulo em uma relação complexa para poucos caracteres.