Peça Réquiem para o Desejo é representada no Itaú Cultural

Peça Réquiem para o Desejo é representada no Itaú Cultural

O Itaú Cultural recebe de 22 a 24 de março (sexta-feira a domingo) a Companhia da Memória com o espetáculo Réquiem para o Desejo. Com dramaturgia de Alexandre Dal Farra e direção de Ruy Cortez, a peça é uma recriação da obra Um Bonde Chamado Desejo, de Tennessee Williams, e investiga a violência contra a mulher e as pessoas negras a partir das estruturas de poder e dominação do neocolonialismo e do machismo. A peça é uma livre releitura que inverte completamente os papéis desempenhados pelos personagens no clássico norte-americano.

“A inversão é uma forma de repensar algumas dessas figuras, como o proletário másculo. Acho que há um declínio dessa figura, no entanto, a estrutura que dá sustentação para ela ainda não se desfez na sociedade, de maneira que ele simplesmente se vê incapacitado de encontrar outro caminho para encaminhar os seus desejos. Stella tampouco consegue lidar com tal situação. Blanche se introduz nesse ambiente menos estável do que o original. No entanto, as alterações e a instabilidade, longe de gerar possibilidade de mudança, tendem a tornar as relações ainda mais estagnadas”, conta o dramaturgo Alexandre Dal Farra.

A proposta de dramaturgismo se constrói com a sobreposição de dois planos narrativos centrais: a camada ficcional, constituída a partir do texto de Alexandre Dal Farra, que recria de forma contemporânea a problemática central da casa branca burguesa do Bonde tennessewilliano, e uma segunda camada não-ficcional, constituída de cenas performativas onde ecoam a palavra, a voz e o canto de artistas negras. Esse segundo tecido textual ecoa as origens do blues (os cantos de trabalho, os cantos negros spirituals), assim como seus temas e sentidos libertos da forma musical original, como a palavra poética que apenas reivindica libertação.

Réquiem para o Desejo está construída na interface do teatro com o cinema, o show, a videoarte, a instalação sonora e a performance. “Para além de um procedimento de desconstrução, estilhaçamos o original e refizemos uma remontagem radical com os cacos da obra seminal. Utilizando o procedimento da colagem, o espetáculo cria um tecido artístico que alinhava e interpõe obras de diferentes procedências e linguagens, que, no limiar entre o documento e a ficção, refletem a marca, a memória e a presença do colonialismo e do machismo no Brasil, de ontem e hoje”, revela o diretor Ruy Cortez.

“A dramaturgia inédita de Alexandre Dal Farra procura se constituir no avesso do original.  Fragmentária, inacabada, grosseira, seca, rude, árida e crua, cria uma posição de contraste com a poética delicada, sutil e bem acabada de Tennessee Williams”, completa Cortez.

Réquiem para o Desejo é a terceira parte da Pentalogia do Feminino, conjunto de obras que tratam de temas diversos vistos sob a perspectiva do feminino, concebida por Ruy Cortez e Ondina Clais, integrantes da Cia. O primeiro espetáculo é o monólogo Katierina Ivânovna [K.I.], que dá voz a Katierina Ivânovna — personagem de Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski. A segunda parte é Punk Rock, encenação da obra homônima do dramaturgo inglês Simon Stephens e que aborda o tema do bullying e da violência nas escolas e que foi apresentada no fim do ano passado, 2018, em temporada na sala Jardel Filho do Centro Cultural São Paulo.

Serviço

Quando?

Dias 22, 23 e 24 de março

Onde?

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô

Quanto Custa?

Gratuita

Classificação:

16 anos

Mais Informações:

Distribuição de ingressos:

Público preferencial: 1 horas antes do espetáculo (com direito a um acompanhante)

Público não preferencial: 1 hora antes do espetáculo (um ingresso por pessoa)

Sobre o autor

Paulista da gema, jornalista formado pela UMESP que atua como assessor de imprensa. Amo a vida na cidade grande, mas também gosta da tranquilidade do campo. Cinéfilo, geek, amante de livros e das coisas que a natureza dá.

Comentários