Exposição reúne obras raras escritas só por mulheres

Exposição reúne obras raras escritas só por mulheres

Mostra reúne 50 obras escritas por mulheres entre os anos de 1754 e 1933

A Biblioteca Mário de Andrade estreou o mês de abril com a exposição “Pioneiras” com curadoria de Rízio Bruno Sant’ana e Joana Moreno de Andrade. Serão exibidas mais de 50 obras incluindo livros, manuscritos e poemas do acervo de obras raras de escritoras brasileiras. Ao todo, serão obras escritas entre 1754 e 1933. A exposição fica aberta até o dia 26 de maio.

A paulista Teresa Orta, primeira autora nascida no Brasil a publicar um livro (1790) será um dos destaques, juntamente com nomes como Nísia Floresta, Gilka Machado, Raquel de Queiroz, Cecília Meireles e Pagu. A primeira poetisa brasileira a ter poemas publicados em livro, Ângela do Amaral Rangel também terá suas obras exibidas na mostra. A escritora que era cega de nascença terá uma coleção  de poemas em português, espanhol e latim.

Outras histórias inspiradoras que irão compor os 50 nomes na exposição:

Maria Josefa Barreto,considerada uma das primeiras jornalistas brasileiras, se tornou professora e abriu uma escola primária em sua casa, em Porto Alegre, onde deu aulas para jovens. Nascida no Rio Grande do Norte, Nísia Floresta é considerada  uma das primeira escritoras e educadoras feministas do Brasil. Publicou seu primeiro livro, “Direito das mulheres e injustiça dos homens” em 1832. Dirigiu colégios femininos e escreveu diversas obras sobre o preconceito contra a mulher.

Embora tenha nascido na Argentina, Maria Benedicta de Oliveira Barbosa é considerada uma das primeiras escritoras brasileiras. Reúne em seu livro, publicado sob pseudônimo, pensamentos escritos desde 1839, com conselhos às mulheres, relatos de viagens e poemas próprios, além de pequenos textos de outros autores.

Nascida em Salvador, Adelia Josephina de Castro Fonseca foi a primeira escritora a publicar um livro na Bahia, com poemas escritos
entre 1849 e 1865. O dinheiro arrecadado com a venda desta obra foi destinado às famílias pobres dos soldados que lutaram na Guerra do Paraguai.

A poetisa e professora Narcisa Amália de Oliveira Campos foi a primeira mulher no Brasil a se profissionalizar como jornalista e uma das primeiras a serem aceitas em uma sociedade literária. Nesta coletânea, em homenagem ao 17º aniversário da sociedade, aparecem poemas de seu
único livro, “Nebulosas”, de 1872.

Maria Angélica de Sousa Rego foi uma das pioneiras na dramaturgia no Brasil, escrevendo 22 peças de teatro entre 1855 e 1878. Algumas foram encenadas, mas a maioria se perdeu em um incêndio, e nunca foi publicada. Esta é sua segunda obra, das quatro que foram impressas.

A exposição fica aberta até o dia 26 de maio na Biblioteca Mário de Andrade.

Serviço

Quando?

Até 26 de abril

Onde?

R. da Consolação, 94 - República, São Paulo - Acesso pela estação Anhangabaú - Linha 3 vermelha do Metrô.

Quanto Custa?

GRÁTIS

Sobre o autor

Jornalista pela PUC-SP e autor do documentário "Pegadas da Lama", escreve sobre Cultura e Cidades. Apaixonado pelas lentes da fotografia e dos documentários, gosta de observar as pessoas, as relações, os prédios e as janelas. Sagitariano inquieto, está sempre indo e vindo por São Paulo em uma relação complexa para poucos caracteres.

Comentários