O Terno lança novo disco no Auditório do Ibirapuera

O Terno lança novo disco no Auditório do Ibirapuera

Hoje, a banda paulistana O Terno fará o show de lançamento do seu disco mais recente <atrás/além>. O novo álbum, que agradou muito aos fãs, será apresentado em 3 datas no Auditório do Ibirapuera – sexta, sábado e domingo.

Com os ingressos esgotados logo nos primeiros dias de venda, O Terno voltará aos palcos de São Paulo pela primeira vez desde seu último show no Cine Joia, em dezembro de 2018, quando encerraram a turnê do disco Melhor do que Parece (2016).

Guilherme D’Almeida, Biel Basile e Tim Bernardes (foto: Biel Basile)

 

Tim Bernardes, Biel Basile e Guilherme D’almeida contarão com a participação dos músicos Amilcar Rodrigues (trompete), Douglas Antunes (trombone), Filipe Nader (saxofone) e Oscar Ferreira (saxofone). O grupo já está acostumado a fazer shows com um trio de metais e, dessa vez, terão a companhia de 4. Além das músicas do disco novo, com certeza a banda tocará músicas dos trabalhos anteriores. “O disco novo dá o tom ao espetáculo, mas músicas de outros trabalhos, que são as favoritas do público, estarão no clima do <atrás/além>. Algumas vão ganhar novos arranjos, outras serão tocadas da forma original ou vão se misturar ao repertório”, conta Tim ao site do Auditório do Ibirapuera. “O show ainda está sendo construído, mas o clima é meio este: tocar esse O Terno de agora, como se a gente ‘revivesse’ as outras músicas. Vai ser um show mais intimista, de certa forma”.

Como de praxe no Auditório, o show terá interpretação em Libras e promete ser catártico.

Dia:
sexta 17, sábado 18 e domingo 19 de maio de 2019
Horários:
sexta e sábado: às 21h | domingo: às 19h | Abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo
Duração:
90 minutos (aproximadamente)
Ingressos:
R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada) | Os ingressos podem ser adquiridos a partir das 13h do dia 3 de maio | INGRESSOS ESGOTADOS
Classificação Indicativa:
livre para todos os públicos

Sobre o autor

Radialista, músico. Amante da arte, da cultura e da língua brasileira.

Comentários