Conheça 6 medidas de incentivo à ascensão das mulheres aos cargos de liderança nas corporações

Conheça 6 medidas de incentivo à ascensão das mulheres aos cargos de liderança nas corporações

Nos dias 27 e 28 de novembro foi realizado em São Paulo o 9º Fórum Mulheres em Destaque: diversidade na liderança.

Organizado pela consultoria CKZ Diversidade, o evento, que contou com a cooperação da ONU Mulheres e do movimento He For She, fomentou o debate acerca da construção de ambientes de trabalho mais igualitários e a ascensão das mulheres aos cargos de liderança nas corporações.

Divulgado pelo jornal Folha de São Paulo, no dia 03 de março de 2019, dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais), mostram que houve um aumento significativo de mulheres de 30 a 49 anos ocupando cargos de gerência e diretoria no setor formal.

De acordo com os dados, no ano de 2003, 32,3% das mulheres ocupavam cargos de gerência e 31,9% de diretoria. Já em 2017, esse número aumentou para 39,2% e 42,4%, respectivamente.

Apesar do aumento de mulheres líderes, a realidade para elas ainda é desigual e elas ainda somam uma parcela minoritária nos grandes cargos das empresas, sobretudo com recortes específicos, a exemplo da raça, identidade de gênero e orientação sexual.

Pesquisas realizadas pelo setor mostram que apenas 5% dos cargos de liderança são ocupados por negros, no caso de mulheres negras, esse número é ainda mais reduzido.

Para mudar esse cenário, medidas são tomadas diariamente, desde o processo de seleção até a permanência delas dentro das empresas, que conta com ajuda dos homens, chamados para discussão.

E se você, homem ou mulher, se interessa pelo assunto, veja abaixo as 6 principais medidas tomadas pelas empresas para promover a ascensão das mulheres aos cargos de liderança.

1- VIÉS INCONSCIENTE

O viés inconsciente é uma medida que já tem sido realizada por algumas empresas em seus processos seletivos.

Consiste em entrevistar o candidato em ambientes separados, em que ele não é visto pelo seu entrevistador e sua voz é distorcida.

Com isso, não há a possibilidade de saber se a pessoa é um homem ou mulher, suas características físicas e gostos pessoais, se atendo apenas aos seus valores e conhecimento para ocupar o cargo.

2- PROCESSO SELETIVO FLEXÍVEL

A flexibilização no processo seletivo tem sido colocada em prática através da contratação de estagiárias com mais de 30 anos de idade e mulheres com mais de 50 anos que estão em busca de recolocação no mercado de trabalho.

Buscar não se ater ao nome da instituição de ensino onde a candidata fez sua graduação e o seu nível de fluência em outro idioma também tem sido colocado em prática, tornando o processo mais inclusivo desde a sua concepção, visto que muitas empresas têm como regra a presença de mulheres realizando a contratação.

3- ACOLHIMENTO MASCULINO

Os homens são parte fundamental dessa discussão. Por isso, eles têm sido chamados para o debate e ajudado a engajar outros homens a promoverem a equidade de gênero.

Empresas já têm construído um comitê de equidade de gênero, em que o público masculino é convidado a debater de que maneira podem auxiliar e colaborar com o processo, seja selecionando mais mulheres, seja entendendo as especificidades e necessidades de cada uma no dia a dia.

4- PROGRAMAS DE INCENTIVO

O desenvolvimento de programas de mentoria voltados para o público feminino é uma das medidas realizadas pelas empresas, assim como a construção de grupos de afinidades.

São programas que acolhem a mulher dentro do seu ambiente de trabalho, dão suporte e possibilitam o seu crescimento profissional.

Para isso, os mentores tiram as dúvidas das mulheres profissionais, debatem sobre suas inseguranças e, dentre outras coisas, buscam ver maneiras para que elas possam se desenvolver.

5- IGUALDADE SALARIAL

De acordo com pesquisas realizadas pelo setor empresarial, na América Latina as mulheres ganham, em média, 17% a menos que os homens. As mulheres em cargo de liderança ganham 26% a menos que seus colegas do sexo masculino.

No Brasil esse número passa para 20,5% e 30%, respectivamente.

Para extinguir essa desigualdade, algumas empresas têm feito o mapeamento dos cargos ocupados por homens e mulheres, as funções que cada um desenvolve e o nível acadêmico de cada um.

Dessa forma, a remuneração é feita a partir do nível acadêmico e cargo, possibilitando a igualdade salarial.

6- PROMOÇÃO DA ASCENSÃO DAS MULHERES AOS CARGOS DE LIDERANÇA

A promoção das mulheres aos cargos de liderança também tem sido pautada pelo cuidado com a saúde mental. O choro da mulher líder tem deixado de ser um tabu ou sinônimo de fraqueza e visto como algo natural.

No retorno da licença maternidade, tanto a mulher quanto o seu chefe imediato têm uma conversa com profissionais para entenderem os momentos de cada um nesse recomeço e juntos construírem um ambiente de trabalho saudável.

 

Agora que você já sabe algumas medidas que as empresas têm realizado para promover a ascensão das mulheres aos cargos de liderança, nos conta se na sua empresa tem algum programa de incentivo à ascensão dessas mulheres ou que promova a equidade de gênero. Se tiver, quais medidas são?

Sobre o autor

Jornalista freelancer, apaixonada por pessoas e reportagens de fôlego. Trabalha com produção de conteúdo para web e está sempre atrás de um causo para contar. Adora o diferente e sente vontade de desbravar o mundo, seja de ônibus, bicicleta, avião, a pé ou de caminhão, seu veículo predileto. Natural de Salvador, há quatro anos aprende como sobreviver em São Paulo.

Comentários