Memorial da América Latina promove curso de formação para professores de estudantes refugiados

Memorial da América Latina promove curso de formação para professores de estudantes refugiados

O programa, organizado em cinco encontros on-line, tem início dia 7 de novembro, com aula de Carla Cursino, pesquisadora da Cátedra Unesco Memorial

O Memorial da América Latina, por meio do CBEAL (Centro Brasileiro de Estudos da América Latina) promove o curso “Formação de professores para acolhimento e integração de estudantes migrantes e refugiados”, conduzido por Carla Cursino, pesquisadora da Cátedra Unesco Memorial. Serão, no total, cinco oficinas, que ocorrerão aos sábados, sempre às 14h.

As inscrições podem ser feitas através do link  https://forms.gle/YoXKiHvEA5tucm6h8 e as aulas ocorrerão na plataforma Zoom, com transmissão simultânea no Canal do Youtube do Memorial, o “Memorial da América Latina SP”. É possível se inscrever em quantas oficinas quiser.

 A primeira oficina acontece no dia 7 de novembro e irá abordar o panorama em que se encontram crianças e jovens em situação de migração e refúgio, matriculados na rede pública de ensino. 

A formação tem o objetivo de sensibilizar docentes e professores para o acolhimento de estudantes em situação de migração e refúgio, com a valorização e o respeito às línguas e às culturas das pessoas nestas situações. Ao longo da formação, serão apresentadas ferramentas e práticas que podem fazer a diferença na vida desses estudantes.

Carla Cursino é doutoranda em Estudos Linguísticos (UFPR), pesquisadora-bolsista da Fundação Memorial da América Latina (Cátedra UNESCO/UNITWIN para integração da América Latina) e professora de português para alunos em contexto de migração-refúgio.

O curso está inserido nas atividades da Cátedra Unesco Memorial 2020, e tem como público alvo professores, pedagogos, estudantes e demais profissionais da área de Educação, Linguística Aplicada, Licenciaturas em geral e Direitos Humanos. Os alunos receberão certificado de participação no evento. 

 

 Sobre

Carla Cursino é doutoranda em Estudos Linguísticos (UFPR), pesquisadora-bolsista da Fundação Memorial da América Latina (Cátedra UNESCO/UNITWIN para integração da América Latina) e professora de português para alunos em contexto de migração-refúgio.

Cátedra Unesco/Unitwin para a Integração da América Latina é parte da rede de cooperação entre as universidades paulistas públicas (USP, Unesp e Unicamp) e o Memorial da América Latina.

Conta, ainda, com a participação da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa, Fapesp e a Secretaria Estadual de Desenvolvimento na comissão de orientação.

Direcionada pela agenda 2030 da Unesco/ONU, a Cátedra para integração da América Latina tem como temática “Movimentos da América Latina” abordando questões linguísticas, migratórias, culturais e sociais.

Além da pesquisa sobre as Traduções de Mulheres na América Latina, a Cátedra também desenvolve estudos sobre português como língua de acolhimento e formação de cidadãos em situação de refúgio ou apatridia como intérpretes e tradutores comunitários.

Programação:

07/11/2020

Oficina 1: Formação de professores para acolhimento e integração de estudantes migrantes e refugiados

14/11/2020

Oficina 2: Nossas biografias linguísticas: o papel das muitas línguas no acolhimento e integração de estudantes migrantes/refugiados

21/11/2020

Oficina 3: Eu vejo as línguas ao meu redor: o reconhecimento da paisagem linguística no acolhimento e integração de estudantes migrantes/refugiados

28/11/2020

Oficina 4: Ferramentas para a sala de aula: acolher e integrar estudantes migrantes / refugiados – parte 1

05/12/2020

Oficina 5: Ferramentas para a sala de aula: acolher e integrar estudantes migrantes / refugiados – parte 2

 

Sobre o autor

Jornalista freelancer, apaixonada por pessoas e reportagens de fôlego. Trabalha com produção de conteúdo para web e está sempre atrás de um causo para contar. Adora o diferente e sente vontade de desbravar o mundo, seja de ônibus, bicicleta, avião, a pé ou de caminhão, seu veículo predileto. Natural de Salvador, há quatro anos aprende como sobreviver em São Paulo.

Comentários