Exposição Saberes Naturais Brasileiros estreia no Centro Cultural dos Correios

Exposição Saberes Naturais Brasileiros estreia no Centro Cultural dos Correios

Na próxima segunda-feira, dia 23 de novembro, abre para visitação a mostra Saberes Naturais Brasileiros, que fica em cartaz no Centro Cultural Correios (Praça Pedro Lessa, s/n – Vale do Anhangabaú) até o dia 11 de dezembro. A exposição une 50 obras de sete artistas confeccionadas a partir de produtos naturais, como barro, fibras vegetais, madeira, sementes, entre outros.

Saberes Naturais Brasileiros traz ao público uma estrutura pensada para explorar diversas relações sensoriais com a arte. Sons, cheiros e texturas conduzem o público a vivenciar experiências sinestésicas. A cenografia foi confeccionada com materiais que criam um ambiente lúdico de floresta e jardim, em instalações repletas de plantas e elementos característicos dos espaços em que foram geradas as matérias-primas dos trabalhos apresentados.

“Desenvolvemos um ambiente em que os trabalhos artísticos dos artesãos pudessem ser ampliados pela estrutura que os comporta e os completa, por meio da exuberância de plantas e elementos naturais, criando instalações orgânicas”, diz o curador Ivor Carvalho.

Ivor reforça que a mostra tem o objetivo de propor uma discussão sobre o limite entre arte e artesanato e, também, sobre como o paisagismo inserido num projeto cenográfico cria instalações que possam ser caracterizados como verdadeiras obras de arte.

“A mostra visa elucidar essas importantes questões e prover uma resposta retórica, visto que o artesanato é por definição uma manifestação artística (arte e técnica do trabalho manual não industrializado) e, quanto ao paisagismo natural, sabe-se que grandes jardins sempre foram uma inspiração, além de material para obras de grandes artistas e demonstração de riqueza, poder e status de seus proprietários”, complementa Ivor.

Sobre os artistas
João de Fibra
Conhecido como Juão de Fibra, João Gomes é reconhecido no estado de Goiás como Mestre Artesão de Referência Cultural por ser um verdadeiro artista capaz de tramar com maestria, delicadeza precisão e autenticidade as fibras brasileiras.

Maria do Carmo (Neguinha)
Mestre Neguinha é Maria do Carmo dos Santos, nascida no barro, em 1961, em Belo Jardim, Pernambuco. Filha, neta e bisneta de louceiras, seu trabalho de tradição familiar transforma o barro nas mais variadas peças. Primeiro eram as panelas tradicionais, depois suas mãos brincando de criar formas chegaram nos tamanduás.

Jaime Nicola
A trajetória percorrida por Mestre Nicola confirmou seu chamado para a Arte Sacra. O escultor autodidata, conhecido como “fazedor de anjos” considera-se, modestamente, um operário da arte. Imprime em seu trabalho marcas de apuro estético e domínio técnico nas mais diversas matérias-primas: madeira, pedra calcária, granito, pedra sabão, concreto e marfim.

Monique (Central Veredas) 
A Central Veredas acredita que a vida deva ser rodeada de afeto, que o que nos circunda no dia-a-dia devem ser histórias e boas memórias para contar. As peças produzidas pela Central são elementos que contam sua trajetória, modo de vida e o que acreditam. Uma vida, sobretudo com um consumo mais consciente, é a sua proposta, assim como um novo olhar para o artesanato, para seus fazeres e saberes.

Zélia Damasceno (Poloprobio)
O Poloprobio é uma instituição que trabalha com produtores de látex nativo em toda a Amazônia e com a produção de encauchados de vegetais, uma técnica que permite aos seringueiros vulcanizar o látex à campo e produzir artefatos de borracha vulcanizada. Atua na área de desenvolvimento sustentado, pois conjuga ações transversais entre desenvolvimento econômico, meio-ambiente, desenvolvimento comunitário e arte e cultura.

Marcos  Jesus
Marcos Jesus, desde sua infância, morando no bairro de Itaquera na cidade São Paulo, construía brinquedos com resto de madeira das construções, como carrinhos de rolimã, patinetes e carrinhos de feira, que eram muito utilizados nas décadas de 70 e 80. Com passar dos anos, passou a fazer pequenas peças em madeira como fruteira de mesa, potes e pratos, sempre utilizando madeira de construção e aproveitado troncos de árvores caídas após os temporais, sempre preservado suas cores naturais e realçando com resinas como cera de carnaúba e cera real.

Luiz Bernardes
Luiz Bernardes – 66 anos, é de Blumenau (Santa Catarina). Artista plástico e designer, já participou de exposições individuais e coletivas regionais, nacionais e internacionais. Foi escolhido pela revista Casa e Jardim como um dos 20 nomes do Brasil na arte de decoração em edições especiais comemorativas aos seus 43 e 45 anos de edição. Suas peças já foram expostas tanto no Brasil quanto no exterior.

Serviço
Exposição Saberes Naturais Brasileiros
Local: Centro Cultural Correios 
Endereço: Praça Pedro Lessa, s/n – Vale do Anhangabaú)
Abertura: 23 de novembro de 2020, segunda feira, 10h 
Período: Até 11 de dezembro de 2020. Segunda à sexta-feira, das 10h às 17h 
Ingresso: gratuito. Classificação livre.

Sobre o autor

Desenvolvi a identidade visual do Sobreviva em São Paulo e criei o blog quando a página no Facebook tinha mais ou menos um ano. Atualmente, além de produzir contéudo para o blog e cuidar do back-end, tenho foco no gerenciamento dos perfis do Instagram e Pinterest. Sou graduado em publicidade e propaganda, pós graduado em gestão empresarial e marketing pela ESPM e trabalho em uma agência de publicidade.

Comentários