É oficial: Tropical Butantã fechará as portas em definitivo

É oficial: Tropical Butantã fechará as portas em definitivo

Depois da divulgação não oficial feita pelo jornalista José Norberto Flesch na semana passada, a Tropical Butantã (Av. Waldemar Ferreira, 93 – Butantã), que em pouco tempo se tornou uma das casas de shows mais notáveis de São Paulo, anunciou oficialmente que fechará suas portas.

Devido à sua estrutura diferenciada e capacidade para 3 mil pessoas, o espaço localizado na Zona Oeste da capital paulista era um dos locais mais procurados para eventos e apresentações de diversos gêneros musicais, como forró, rock, heavy metal, sertanejo, pop, pagode e outros.

Apesar do impacto da pandemia no setor cultural, a administração vinha zelando pela casa e mantendo todos os cuidados necessários para preservar o espaço, que tinha diversos compromissos agendados já para os primeiros meses de 2022. 

O motivo para o enceramento das atividades da Tropical Butantã é a venda do terreno para uma incorporadora, o que também tinha sido antecipado por José Norberto Flesch.

Vivemos muitos bons e lindos momentos durante estes últimos seis anos em atividade. Recebemos grandes artistas dos mais diversos lugares do Brasil e do Mundo, e temos orgulho em termos criado um espaço democrático e aberto para todas as culturas e segmentos musicais. Foi gratificante vermos o crescimento rápido da nossa casa em uma cidade repleta de atrações como São Paulo, mas, infelizmente, hoje apagamos todas as luzes. Tentamos ao máximo dialogar e negociar com os sócios do terreno, mas eles já tinham feito a decisão. Agradecemos a todos os nossos colaboradores e também às empresas e produtoras que confiaram e seguiram conosco nessa jornada até aqui. Agora, seguiremos um novo futuro, em uma nova casa que será anunciada em breve”, declara Julio Viseu, um dos proprietários da Tropical.

O palco da Tropical Butantã foi inaugurado em fevereiro de 2016 e nele foram realizadas mais de 1.000 apresentações. 

Atrações que fizeram história

Nick Carter (Backstreet Boys), Scott Stapp (Creed), Garbage, Azealia Banks, Bullet For My Valentine, Living Colour, Epica, Amon Amarth, Behemoth, The Jesus and Mary Chain, Hot Water Music, Orishas, Black Label Society, Saxon, Boyce Avenue, L7, Glenn Hughes, Primal Scream, Apocalyptica, Dropkick Murphys, POD, Millencollin, Saxon, Suicidal Tendencies e Papa Roach foram algumas das atrações internacionais que pisaram no local.

Das nacionais, se destacam Leonardo, Zé Neto & Cristiano, As Coleguinhas, Os Mutantes, Joelma, Linn da Quebrada, Max & Iggor Cavalera, Krisiun, Ratos de Porão, Angra, Matanza, Mahmundi, Rincon Sapiência, Rosa de Saron, Lexa, Terno Rei, CPM 22, Dance of Days, Dead Fish, Oficina G3, Boogarins, Far From Alaska, entre muitos outras.

Foto de topo: Leandro Anhelli

 

Observação: o Sobreviva em São Paulo não se responsabiliza por possíveis mudanças nas informações acima, que são válidas até a data de publicação.

Sobre o autor

Publicitário, especializado em Marketing e Comunicação Integrada. Amante da vida, encantado por pessoas e suas singularidades. Fã inveterado de filmes de terror, ouvinte assíduo de música jamaicana e rock pesado. E, claro: Vai, Corinthians!

Comentários