Prefeitura de São Paulo lança programa de expansão da rede pública de Wi-Fi

Prefeitura de São Paulo lança programa de expansão da rede pública de Wi-Fi

A Prefeitura de São Paulo lançou nesta quarta-feira (15), na Praça Silva Telles, no Itaim Paulista, Zona Leste da cidade, a expansão do Programa WiFi Livre SP. Segundo a Prefeitura, até 2020, São Paulo será a metrópole com a maior rede pública de Wi-fi da América Latina.

A capital paulista conta hoje com 120 pontos de acesso dispostos nas praças e parques, rede que faz com que a administração municipal desembolse R$ 12 milhões ao ano. Com a expansão da rede de conectividade, São Paulo terá 621 pontos de acesso livre e gratuito à internet, incluindo equipamentos públicos e pontos turísticos, sem onerar os cofres públicos.

“Estamos propondo um modelo de financiamento pelo setor privado que economiza recursos públicos e assegura internet de qualidade para todas as regiões, pensando principalmente nas pessoas que não têm condições de ter acesso a um pacote de dados”, destaca Daniel Annenberg, secretário municipal de Inovação e Tecnologia.

A expansão do Programa WiFi Livre SP traz novidades como a conectividade em equipamentos públicos, a modernização da infraestrutura digital já existente e a preocupação em garantir que toda a cidade seja beneficiada.

Mais de trezentos pontos de acesso foram direcionados para regiões de vulnerabilidade social, promovendo a democratização do acesso à internet e a inclusão digital. Postos de saúde, telecentros, clubes desportivos, CEUS, teatros e bibliotecas, além de praças e parques, serão contemplados com internet pública e gratuita, ampliando o perfil das pessoas que utilizam a rede e sua usabilidade. Os 120 pontos já existentes já estão passando por modernização, de forma escalonada, para aumentar a qualidade da navegação e da abrangência do sinal, oferecendo um serviço de conexão ainda melhor.

Atualmente, a Prefeitura de São Paulo, em parceria com a Americanet, já modernizou 36 pontos de WiFi Livre na Zona Leste da cidade. Praças e parques em diversas regiões da cidade foram contemplados com internet mais rápida. Além da modernização, mais quatro novos pontos de acesso foram instalados nos CEUs Formosa, Água Azul, Inácio Monteiro e na Praça Silva Teles.

Para melhor atender a população, o programa de Expansão WiFi Livre SP está dividido em duas fases. A primeira, que teve início em março e está em andamento, vai modernizar os 120 pontos já existentes, desonerando os cofres públicos e melhorando a internet ofertada. Com o novo modelo de credenciamento, a Prefeitura de São Paulo economiza recursos públicos, aumenta a qualidade da navegação e a abrangência do sinal.

A segunda fase tem início a partir de julho, quando se iniciam as instalações de novos pontos em larga escala. De forma pontual, novos pontos serão criados ainda na primeira fase. No entanto, esse processo de criação de novas localidades vai se intensificar em todas as regiões a partir do segundo semestre deste ano. O acompanhamento do cronograma pode ser feito pelo endereço wifilivre.sp.gov.br.

Como vai funcionar a modernização dos 120 pontos existentes

Para evitar que a população fique sem acesso ao serviço, a modernização dos pontos existentes será feita de modo gradual, buscando o menor impacto possível no cotidiano das pessoas. A Prefeitura de São Paulo, em parceria com a Americanet, está modernizando cerca de 30 pontos por mês. Durante esta fase, há a possibilidade de instabilidade no sinal de internet. Finalizado o processo, a retomada do acesso se dará com mais qualidade e velocidade, obedecendo a proteção de dados dos usuários.

As especificações do programa estabelecem que cada usuário conectado terá uma conexão individual e efetiva de, no mínimo, 512kbps. A conexão segue requisitos de estabilidade, qualidade e cobertura e é suficiente para assistir vídeos, baixar arquivos, fazer videochamadas, realizar cursos online e navegar rapidamente pela internet. Qualquer usuário com smartphone, tablet ou notebook e que possua um chip de celular ativo pode acessar a rede.

Com a nova modelagem de conexão, será necessário incluir o número de telefone para que o usuário seja autenticado na rede WiFi Livre SP. O sistema vai enviar um código temporário que deverá ser inserido no campo solicitado da tela de início. A cada meia-hora de navegação, o usuário deverá se autenticar novamente. O uso da internet continua sendo livre e gratuito.

Fonte: Prefeitura de São Paulo

Observação: o Sobreviva em São Paulo não se responsabiliza por possíveis mudanças nas informações acima, que são válidas até esta data.

Sobre o autor

Publicitário, especializado em Marketing e Comunicação Integrada. Amante da vida, encantado por pessoas e suas singularidades. Fã inveterado de filmes de terror, ouvinte assíduo de música jamaicana e rock pesado. Vive uma relação de amor e ódio com São Paulo. Ótima companhia pra uma cerveja gelada. E, claro: Vai, Corinthians!

Comentários