13 personalidades musicais retratadas no festival In-Edit Brasil

13 personalidades musicais retratadas no festival In-Edit Brasil

Se você acompanha o Sobreviva em São Paulo, já deve estar sabendo que começa hoje (12/06) o 11º In-Edit – Festival Internacional do Documentário Musical, que acontece até 23/06 em vários pontos de São Paulo, como o CineSesc, o Spcine Olido, o Spcine Lima Barreto (Centro Cultural São Paulo – CCSP), o Cine Matilha (Matilha Cultural) e a Cinemateca Brasileira (Sala BNDES e Sala Petrobras).

Evento cinematográfico que tem como objetivo fomentar a produção e a difusão de filmes documentários que tenham a música como elemento integrador, o festival nasceu em Barcelona em 2003 e hoje é realizado em diversos países. No Brasil, neste ano, dezenas de documentários musicais foram criteriosamente selecionados para serem exibidos ao público até o próximo dia 23. Muitos deles descrevem a trajetória e o legado de grandes nomes da música nacional e internacional, sejam artistas ou bandas, de diferentes origens e estilos.

De Alceu Valença a Miles Davis, de Clementina de Jesus a Joan Jett, a história da música têm alguns de seus trechos contados por meio de documentários de artistas marcantes. Elencamos para você 13 desses documentários e os locais onde serão exibidos. Escolha os que mais lhe interessam e boa diversão!

 

Alceu Valença – Na Embolada do Tempo (2019, 85 minutos)

No começo dos anos 1970, uma leva de cantores/compositores vindos do Nordeste tomaram de assalto a cena musical do país. Entre eles, Alceu Valença (foto acima), que veio a se tornar um dos grandes nomes da música popular brasileira. Neste filme, dirigido por Paola Vieira, encontramos o próprio Alceu revisitando sua carreira, desde os primeiros contatos com a música, na infância em São Bento do Una, até 2018. Com muitas imagens de arquivo e depoimentos, somos apresentados à sua obra, reminiscências e reflexões.

Sessões:
– CineSesc: 14/06 – 21h15 | Sessão seguida de debate com a diretora e o músico Alceu Valença;
– Spcine Olido: 15/06 – 19h | Sessão com presença da diretora;
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 19/06 – 16h.

Bad Reputation. A Documentary about Joan Jett (2018, 92 minutos)

Joan Jett é uma verdadeira bomba. Aos 13 anos, conseguiu uma guitarra e passou meses tentando tirar um som do instrumento. Quando conseguiu, formou o The Runaways com quatro garotas e obteve enorme sucesso. Mas a artista não queria interpretar o papel de “Lolita do Rock” que lhe estava reservado e montou sua própria banda: o The Blackhearts. Com sucessos como “I Love Rock and Roll” e “Bad Reputation”, sua carreira explodiu e ela se tornou um símbolo de sua geração. O que pouca gente conhece é seu lado ativista e como produtora de diversas bandas – como o Bikini Kill, por exemplo.

Sessões:
– CineSesc: 13/06 – 17h
– Spcine Olido: 18/06 – 17h
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 20/06 – 18h
Com a Palavra, Arnaldo Antunes (2018, 80 minutos)

O diretor Marcelo Machado fez uma série de entrevistas a Arnaldo Antunes, um dos criadores mais celebrados da música brasileira. O resultado é um retrato íntimo em primeira pessoa. Já estreado em circuitos comerciais, o filme participa do Festival com uma sessão especial seguida de um bate-papo com o cineasta e o músico.

Sessão:
– CineSesc: 17/06 – 19h | Sessão seguida de debate com o diretor e Arnaldo Antunes. | Sessão com legenda descritiva, audiodescrição e libras (aplicativo Movie Reading).

Clementina (2018, 75 minutos)

Conheça o universo de Clementina de Jesus, revelada aos 63 anos como uma das maiores vozes da história do samba. A artista é considerada por muitos o elo perdido entre a cultura brasileira e as raízes africanas. Já estreado em circuitos comerciais, o filme participa desta edição com uma sessão especial seguida de um bate papo com Ana Rieper (diretora) e Mariana Marinho (produtora).

Sessões:
– Cinemateca Brasileira: 20/06 – 19h | Sessão seguida de debate com a diretora e a produtora;
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 21/06 – 20h.

Dorival Caimmy – Um Homem de Afetos (2019, 93 minutos)

Dorival Caymmi, junto com Jorge Amado e Carybé, foi um dos responsáveis pela definição da Bahia no século XX dentro do imaginário brasileiro. Além disso, o compositor se tornou um dos monstros sagrados da música brasileira, influenciando gerações de cantores, compositores e instrumentistas. Neste filme, a diretora Daniela Broitman traz um retrato íntimo e familiar de Dorival Caymmi. A partir de uma entrevista inédita, em que ele se diverte com seus próprios “causos”, somos guiados a reflexões filosóficas, que serviam como tema para suas músicas.

Sessões:
– CineSesc: 15/06 – 21h15 | Sessão seguida de debate com a diretora;
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 16/06 – 18h | Sessão com presença da diretora;
– Cinemateca Brasileira: 23/06 – 16h.

Meu Amigo Fela (2018, 98 minutos)

Revolucionário, visionário, gênio, guerrilheiro, pan-africanista, pop star. São muitos adjetivos que podemos aplicar a Olufela Olusegun Oludotun Ransome-Kuti, ou simplesmente Fela Kuti (1938 – 1997). Multi-instrumentista nigeriano, Fela foi um dos pioneiros do afrobeat, além de ter sido ativista político e defensor dos direitos humanos. Em “Meu Amigo Fela”, o diretor brasileiro Joel Zito Araújo vai a Nova York entrevistar o africano-cubano Carlos Moore, amigo íntimo e biógrafo oficial de Fela, com o objetivo de tentar entender o homem que viveu atrás do mito de “excêntrico ídolo pop africano do gueto”.

Sessões:
– CineSesc: 15/06 – 19h | Sessão com presença do diretor;
– Spcine Olido: 16/06 – 18h | Sessão seguida de debate com o diretor;
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 21/06 – 16h.

Miles Davis – Birth of Cool (2018, 90 minutos)

Miles Davis é um grande nome da música do século XX. Foi ele quem mudou os rumos do jazz inúmeras vezes, revelou nomes importantíssimos na história da música – como John Coltrane, Ron Carter, Herbie Hancock, Wayne Shorter, Art Blakey e Chick Corea – levou o jazz às massas na Ilha Wright e foi o porta-voz de diferentes gerações. Em resumo, Miles é simplesmente um divisor de águas. Neste documentário vemos os grandes momentos – e também os baixos – de sua trajetória.

Sessões:
– Cinemateca Brasileira: 15/06 – 20h
– CineSesc: 18/06 – 21h15

New Order: Decades (2018, 85 minutos)

New Order (Foto: divulgação)
Quase quarenta anos após a estreia do Joy Division na Granada Television, em Manchester, o New Order volta a este mítico estúdio para um projeto especial. “Decades” mostra o processo de criação do show “So It Goes”, uma série de cinco concertos produzidos originalmente para o Festival Internacional de Manchester, em uma parceria entre a banda, o maestro Joe Duddell e o artista visual Liam Gillick. Um palco especialmente desenhado para a ocasião, uma orquestra de sintetizadores formada por doze estudantes da The Royal Northern School of Music e um setlist de canções pouco executadas nos shows da banda formam o conjunto da obra.
Sessões:
– Cinemateca Brasileira: 14/06 – 20h
– CineSesc: 19/06 – 19h

Radio S.Amb.a.DOC (2019, 30 minutos)

Nação Zumbi (divulgação)
Pelo 20º aniversário do lançamento do disco “Rádio S.Amb.A: Serviço Ambulante de Afrociberdelia” – o primeiro sem o vocalista Chico Science – a Nação Zumbi faz uma sessão exclusiva para o festival In-Edit. O documentário, dirigido por André Almeida, é a segunda parte do projeto audiovisual de “Rádio S.Amb.A” e conta com imagens de arquivo das gravações e de uma viagem ao centro do mangue atual, com lugares, personagens e paisagens do Recife mencionados no disco, além de depoimentos de todos os envolvidos na criação e produção do álbum.
Sessões:
– Cine Joia: 13/06 – 22h30 | Exibição do documentário, seguida de show com a banda Nação Zumbi, às 23h;
– Matilha Cultural: 15/06 – 20h – | Sessão seguida de debate com o diretor;
– Spcine Lima Barreto (CCSP) – 21/06 – 18h.

Segue o Baile – Bixiga 70 (2018, 60 minutos)

Uma das mais badaladas bandas da nova geração, o Bixiga 70 se propõe a colocar as pessoas para dançar. Com influências que vão do afrobeat ao pop, da música caribenha ao jazz, e da música instrumental brasileira aos ritmos mais diversos, o grupo tem lugar garantido em alguns dos principais palcos do mundo. Em “Segue o Baile”, conhecemos o universo criativo formado por nove cabeças e como é engendrado o transe sonoro a que suas plateias são submetidas.

Sessões:
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 13/06 – 20h | Sessão com presença do diretor;
– Cinemateca Brasileira: 15/06 – 19h | Sessão com presença do diretor;
– Spcine Olido: 21/06 – 15h | Sessão com presença do diretor.

Suede: The Insatiable Ones (2018, 113 minutos)

A banda inglesa Suede tem um lugar guardado dentro da história do chamado britpop. Com suas canções fortes, letras trabalhadas e seu carismático vocalista Brett Anderson, a banda alcançou os postos mais altos das hit parades e dos festivais mais concorridos do mundo. Neste filme, o diretor Mike Christie conta a história da banda com a ajuda de um rico material de arquivo e de entrevistas atuais feitas com os músicos que passaram pela formação.

Sessões:
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 18/06 – 20h
– Spcine Olido: 22/06 – 19h

Zuza Homem de Jazz (2018, 72 minutos)

Seja como músico, como produtor, jornalista ou crítico, Zuza Homem de Mello sempre se destacou no Brasil por sua seriedade e dedicação. Aos 85 anos, ele ainda tem muito para contar e para fazer. Neste filme, vemos Zuza em seu ambiente natural: a música em suas todas as formas mais diversas, e especialmente, o jazz. Nesta única apresentação do filme no Festival, o Blue Note São Paulo abre suas portas para uma sessão especial. Primeiro com a exibição do filme, depois com um bate papo com Zuza e a diretora e, para terminar, com um show do Mani Padme Trio.

Sessões:
– Cinemateca: 15/06 – 17h
– Blue Note SP: 19/06 – 20h | Sessão seguida de debate com a diretora e Zuza Homem de Mello e de show com o grupo instrumental Mani Padme Trio
– Cine Matilha: 22/06 – 20h

The Godfathers of Hardcore (2017, 96 minutos)

A banda novaiorquina de hardcore Agnostic Front é sem dúvida uma das mais importantes do gênero. Iniciada nos anos 1980, a formação liderada pelo vocalista Roger Miret e o guitarrista Vinnie Stigma faz parte do imaginário punk formada na década. Hoje, com quase 40 anos de estrada, eles contam como vivem suas vidas, sua estreita amizade e as mazelas que vivenciaram em todos esses anos, incluindo os anos na prisão de Roger. Um retrato humano e familiar embalado em tatuagens, gritos contra o sistema e muitos decibéis.

Sessões:

– Spcine Olido: 19/06 – 17h
– Spcine Lima Barreto (CCSP): 23/06 – 20h

A programação completa do festival pode ser conferida pelo link www.in-edit-brasil.com/program. Os ingressos são gratuitos, exceto no CineSesc e em locais onde acontecem as atividades paralelas (shows, palestras etc.). Você confere os endereços dos locais participantes do festival acessando o link br.in-edit.org/salas.

Observação: o Sobreviva em São Paulo não se responsabiliza por possíveis mudanças nas informações acima, que são válidas até esta data.

Sobre o autor

Publicitário, especializado em Marketing e Comunicação Integrada. Amante da vida, encantado por pessoas e suas singularidades. Fã inveterado de filmes de terror, ouvinte assíduo de música jamaicana e rock pesado. Vive uma relação de amor e ódio com São Paulo. Ótima companhia pra uma cerveja gelada. E, claro: Vai, Corinthians!

Comentários